"

1

2

3

4

1 2 3 4

Alenquer

Os encantos naturais de Alenquer

     Cercadas de piscinas naturais, cânions ou mata nativa, as dezenas de quedas d’água espalhadas pela região de Alenquer estão entre seus principais atrativos. A cidade se localiza no Oeste do Pará, a cerca de 100 km de Santarém e 700 km da capital do estado, Belém. Em seus 22.282 km² vivem mais de 50 mil habitantes (IBGE/2007), que têm sua economia baseada na agropecuária, extração vegetal e comércio. A história de Alenquer é antiga, tendo início ainda no século 17, com o estabelecimento de uma zona de catequese pelos frades capuchinhos, às margens do Rio Curuá, atraindo os índios da região. Mais tarde, em 1758, o governador do Estado do Grão-Pará e Maranhão, Francisco Xavier de Mendonça Furtado, deu ao povoado o status de vila, com o nome Alenquer, de origem portuguesa. Ainda no período imperial, em 1881, a vila se tornou cidade.

      Parte de seu patrimônio cultural data daquela época – alguns exemplos são o prédio da Prefeitura Municipal, construído em 1884; o prédio do Grupo Escolar Fulgêncio Simões, de 1899; e a Igreja de Santo Antônio, de 1870. Uma das maiores festividades religiosas de Alenquer é a Festa de Santo Antônio, padroeiro da cidade, realizada no dia 13 de junho, com missa solene, procissão, arraial e apresentações folclóricas. Trata-se de um dos municípios mais importantes do Baixo Amazonas e também oferece ingredientes para uma verdadeira aula de geografia: a diversidade da vegetação, incluindo áreas de floresta equatorial, várzea e campos; a presença dos rios Amazonas e Curuá; os lagos enfeitados com vitórias-régias, garças e praias; entre outras belezas naturais.

      Confira alguns destaques:

Cidade dos Deuses: Em plena floresta amazônica, em uma área de 140 hectares, rochas calcárias formam figuras diversas, lembrando animais e objetos. As ruínas também abrigam inscrições rupestres de 12 séculos atrás. O parque arqueológico foi descoberto pelo pesquisador inglês Michael Douglas Blair e desperta a curiosidade de moradores e visitantes.

Vale do Paraíso

      É composto por encostas íngremes e belas cachoeiras, em meio à mata nativa. Uma das quedas d’água tem 10 metros de altura e formato de uma grande escada, podendo ser aproveitada pelos banhistas. O local possui infra-estrutura turística, com bar, restaurante de culinária típica e pousada.

      Cachoeira Chuva de Prata:

      Fica a cerca de duas horas do centro da cidade, de carro, e exige mais uma caminhada de 8 km na mata.
    
      O acesso difícil é recompensado pela beleza da trilha, formada por árvores gigantes, paredões de pedra que chegam a 200 metros, igarapés, orquídeas e bromélias. A cachoeira tem 70 metros de altura e a água cai com forte impacto sobre o bloco de pedra, mas os visitantes podem aproveitar a piscina natural que se forma aos seus pés.

      Cachoeira do Bem Fica:

      Outra opção de lazer de Alenquer é a cachoeira de 15 metros de altura e 100 metros de largura, que corta o Rio Curuá de uma margem à outra. Ao seu redor se formam praias de areias brancas e piscinas naturais nas pedras.

      Lagos:

      Os lagos Curumum e Uruxi se localizam a cerca de 5 km do centro do município, em uma região com belas praias fluviais, igarapés e ilhas. Nos períodos de cheia, os dois se unem, formando um grande lago que convida à pesca, aos passeios de canoa e à prática de esportes aquáticos.

      Durante a estiagem, os lagos se dividem e a área se transforma em um grande campo, propício para passeios a cavalo e habitat de diversas espécies de aves, como andorinhas e garças. Entre os lagos de Alenquer também está o Atumã, que abriga uma reserva do Ibama, com criação da tartaruga pitiú e do peixe pirarucu.

Cidade dos Deuses

       Em plena floresta amazônica, em uma área de 140 hectares, rochas calcárias formam figuras diversas, lembrando animais e objetos. As ruínas também abrigam inscrições.

VOLTAR   IMPRIMIR TOPO
Receba em seu e-mail as últimas novidades e promoções.